sexta-feira, 5 de março de 2010

quinta-feira, 4 de março de 2010

Excelente artigo do Pedro Lomba sobre as eleições do PSD

Pedro Lomba, hoje no Público, capta de forma magistral a "plastificação" de Pedro Passos Coelho, na "mise en scène" que há muito tempo vem fazendo, e o seu sentimento de inferioridade. Notável, por isso o reproduzo neste espaço.

--------------------------------------------
As eleições internas do PSD estão, como se antevia, fortemente bipolarizadas. Continuarão bipolarizadas até ao fim, por muito que Aguiar Branco, um senhor respeitável e competente, tente em vão dar sinais de vida. Havia por isso alguma expectativa, exagerada como são sempre todas as expectativas, para o debate entre Paulo Rangel e Pedro Passos Coelho anteontem na SIC Notícias.

Um debate é apenas um debate. Este não correu bem a Paulo Rangel, que esteve defensivo e cauteloso em demasia. Desgraçadamente para ele, também não correu bem a Passos Coelho, que, com os seus maneirismos, as falas decoradas e a agressividade metida a despropósito, numa tentativa forçada de se sobrepor a Rangel que apenas serviu para expor o seu sentimento de inferioridade, confirmou a principal crítica que lhe tem sido feita: a de que é um político sem espessura, sem pensamento próprio, que tenta a todo o custo fazer-se passar pelo que não é.

Nesta coluna, devo notar, não faço parte do clube dos "analistas" e menos ainda dos politólogos-comentadores, muito em voga nos nossos dias, que entre citações do último jornal da Universidade de Helsínquia, sustentam opiniões tão políticas, subjectivas (e por isso discutíveis) como todas as outras. O meu critério é claro: defendo aquilo em que acredito e critico aquilo em que não acredito. Não há distanciamento, nem objectividade possível. Exerço o meu direito a ser saudavelmente tendencioso. E, nesta eleição do PSD, se fosse militante, eu não hesitaria: escolheria Paulo Rangel. E até avanço porquê: pela primeira vez desde que tenho memória na vida política portuguesa, encontro um político no centro-direita (tirando Paulo Portas) que se formou, educou e politizou autonomamente fora das querelas infecciosas que minam aquele partido.

Quando afirmo que Passos Coelho se faz passar pelo político que manifestamente não é, ocorrem-me vários exemplos deste estilo. Eis um político que tenta em permanência transmitir uma imagem, uma experiência, um perfil de renovador, apresentando-se sempre na sua suposta frescura e juventude, como se fosse um outsider, mas que, na verdade, anda metido na política desde a adolescência e interiorizou todos os seus vícios e dependências. Mudar o quê?

Eis um político que quer liderar um partido, que aspira a ser oposição a José Sócrates, mas manteve com ele no último ano e meio uma relação de cumplicidade tácita, fazendo mais oposição interna do que externa e silenciando-se num conjunto de questões centrais. Eis um político que deseja vender a ideia de que possui um percurso profissional autónomo quando, sejamos claros, tem atrás dele a figura tutelar de Ângelo Correia. Mudar o quê?

Eis um político que que tenta passar um ar juvenil, ágil e "moderno" nas entrevistas, dizendo que leu isto e fumou aquilo; que descobriu aos 45 anos e qualquer coisa que era "liberal", depois de nunca lhe ter sido conhecida uma ideia e maturação política em décadas de "carreira" partidária. Eis um político que promete mudança e sangue-novo, mas que surge aliado ao pior do aparelhismo, do menezismo, do marco-antonismo e outros ismos, mais desse grande mentor de rotundas que é Fernando Ruas. Sim, mudar o quê?

Quase seis anos de José Sócrates deveriam ser a nossa vacina contra a plastificação na política. Não tivemos já que chegue de políticos postiços, com os seus guiões que eles repetem sem perceber, o seu comércio de poses em público, o estilo de autómato, aquele profissionalismo mediático que é no fundo um disfarce de coisa nenhuma? Não tivemos disso que chegue? Pode ser que continuem a querer disso, até acordarem no dia seguinte vítimas de uma ilusão que deixaram passar. Jurista